Notícia | IBSP

Em webinar com convidados especiais, IBSP encerra campanha voltada à saúde mental dos profissionais na linha de frente

Encontro virtual moderado pela jornalista Mariana Ferrão foi realizado em 2 de junho

Como mote de encerramento da campanha “Acolhendo e Cuidando de Você”, o Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP) realizou, em 2 de junho, um webinar focado em debates sobre a qualidade de vida dos profissionais da saúde em tempos de pandemia e o impacto para a segurança do paciente.

O evento teve mais de 500 inscritos interessados em acompanhar as conversas conduzidas por Mariana Ferrão, jornalista especializada em bem-estar, saúde mental e emocional, convidada para ser a mestre de cerimônias. Também participaram Maria Júlia Paes da Silva, enfermeira, professora titular aposentada da USP e especialista em comunicação interpessoal e terapêutica; Enis Donizetti Silva, anestesista e presidente do Conselho Administrativo da Fundação para Segurança do Paciente (FSP); e Karina Marcia Pires Pecora, enfermeira, fundadora e diretora de operações do IBSP.

Das 19h às 19h30, quem coordenou o encontro foi Karina que recebeu Enis para o papo “Transformação do cenário hospitalar – Estresse, pressão e segurança do paciente”. Na ocasião, os dois especialistas conversaram sobre como a COVID-19 impactou a rotina nas instituições de saúde. “Da noite para o dia, a pandemia desarranjou toda a estrutura organizacional dos hospitais”, pontuou Enis.

Com a suspensão temporária dos procedimentos eletivos a fim de abrir espaço para assistência aos pacientes infectados pelo novo coronavírus, o anestesista se viu diante de uma ociosidade. “Essa suspensão abriu uma oportunidade para que esses profissionais participassem da terapia intensiva, o que foi muito importante”, complementou. Para Enis, o médico anestesista tinha uma atuação bastante solitária e esse conceito foi transformado pela crise. “Agora fazemos parte do time multidisciplinar”, comentou.

A partir das 19h30, quem assumiu a moderação do webinar foi Mariana Ferrão. Depois de contar uma experiência pessoal com questões psicológicas, mencionando inclusive que durante a adolescência chegou a ter pensamentos suicidas, a jornalista convidou Maria Júlia para se juntar a ela, ao Enis e à Karina a fim de trocarem observações e ideias sobre os impactos da pandemia na saúde mental.

Um dos temas amplamente debatidos dizia respeito à vivência do luto. “Não vivemos em uma sociedade que aprendeu a perder. A vida real nos faz perder, ter privações e precisamos aprender a desapegar”, comentou Maria Júlia enfatizando que, nesse momento de crise, os profissionais de saúde estão sendo desafiados a honrar seu juramento de cuidar da vida da forma que ela estiver, do jeito que for possível, com os recursos que estiverem disponíveis. “Sabemos, por exemplo, que dar a notícia do falecimento de um paciente por telefone à sua família não é o ideal, mas é o que temos para o momento”, comentou.

Para Enis, os profissionais de saúde tendem a enxergar a morte como uma derrota. Muitos deles inclusive se punem diante do falecimento de um paciente. “A gente carrega essa culpa, que é um fardo muito pesado”, disse. “Precisamos entender que somos seres humanos e que as coisas são falíveis, que não conseguirmos resolver tudo. Temos que ressignificar nossa formação, saindo desse modelo muito punitivo”, pontuou. “A gente não tem o mínimo controle da vida, que é muito maior do que qualquer um de nós”, complementou Maria Júlia.

Mariana também comentou sobre esse sentimento de culpa que afeta a rotina dos profissionais de saúde que não se sentem no direito de parar para cuidar de si. “Todos nós precisamos de pausa, precisamos nos reconhecer, precisamos de um tempo para o autocuidado. Principalmente os profissionais de saúde, que se dedicam a cuidar dos outros”, disse momentos após sugerir que toda a audiência parasse alguns segundos para respirar conscientemente.

Falando sobre encarar os sentimentos negativos, Karina comentou sobre a importância da esperança. “Quando vemos muitas pessoas morrendo, perdemos a esperança. Mas não podemos deixar de lado os fatos positivos que acontecem no dia a dia”, disse. Em complemento, Maria Júlia reforçou que esse é um momento delicado. “Temos que desconstruir a crença de que a vida é negativa. Ela não é negativa, ela é desafiadora”, finalizou.

Ao longo das duas horas de bate-papo, os participantes também conversaram sobre a importância da comunicação, da união entre os colegas de trabalho para uma visão mais empática do dia a dia, da solidariedade e da reflexão diária. As perguntas enviadas pela audiência também foram respondidas.

Quem não pode acompanhar ao vivo, pode assistir ao encontro que está disponível na íntegra no canal do YouTube do IBSP. Clique AQUI para acessar.

Campanha – IBSP Acolhendo e Cuidando de Você

Nos últimos dois meses o IBSP fortaleceu a preocupação da entidade com a saúde mental e a qualidade de vida dos profissionais de saúde que estão há 15 meses na linha de frente da pandemia de COVID-19 promovendo, em suas redes sociais, conteúdos dedicados a minimizar os impactos psicológicos da crise.

Foram compartilhadas informações sobre meditação, alimentação, gestão de tempo, além de mensagens motivadoras e de esperança gravadas em vídeo por exímios profissionais de saúde. Todo esse conteúdo pode ser visto nas redes sociais do Instituto: Facebook e Instagram.

A campanha “IBSP Acolhendo e Cuidando de Você” teve patrocínio da Aspen Pharma, indústria farmacêutica totalmente alinhada aos princípios de segurança do paciente.

Leia também